Compungido, Berlusconi se desculpa por declarações

O primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi, afirmando ter sido mal entendido, desculpou-se nesta sexta-feira diante do Senado, em Roma, por ter dito que a civilização ocidental era superior à cultura islâmica.Horas antes do discurso de Berlusconi, o secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), lorde Robertson, diminuiu a importância das palavras proferidas pelo premier italiano na quarta-feira e afirmou que as declarações não afetariam a formação de uma coalizão internacional contra o terrorismo."Lamento que palavras mal entendidas tenham ofendido a susceptibilidade de meus amigos árabes e muçulmanos", disse Berlusconi aos senadores."Temos consciência do papel crucial dos países árabes moderados (na luta contra o terrorismo). Nossos inimigos são os que vêem um inimigo na liberdade de religião e na diversidade cultural", afirmou.Na quarta-feira, em Berlim, onde se reuniu com o presidente russo, Vladimir Putin, e o chanceler alemão, Gerhard Schroeder, Berlusconi disse diante das câmeras de televisão que a civilização ocidental era superior porque garantia o respeito aos direitos humanos, políticos e religiosos a seus cidadãos.Ele acrescentou que esperava que o "o Ocidente continuasse conquistando povos, como conquistou o comunismo".Essas declarações, prontamente rechaçadas pelos políticos opositores italianos e por representantes da União Européia, foram pronunciadas num momento em que outros dirigentes ocidentais tentam evitar antagonismos com o mundo árabe e forjar uma coalizão mundial contra o terrorismo.Antes do discurso de Berlusconi, Amr Moussa, secretário-geral da Liga Árabe, havia dito em um comunicado que aguardava ?um desmentido ou pedido de desculpas" do governo italiano.Robertson declarou, durante entrevista a jornalistas em Roma, que Berlusconi compartilhava o ponto de vista da Otan de que qualquer resposta aos ataques terroristas nos EUA "não será um choque de civilizações e sim uma união de todos os homens decentes do mundo, cristãos e islâmicos".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.