Concorde passa pela primeira prova desde acidente

Um Concorde levantou vôo hoje pela primeira vez em velocidade supersônica desde que os vôos do avião foram suspensos após um acidente em Paris no ano passado. O aparelho, ligeiramente modificado em seu modelo tradicional foi pilotado pelo capitão Mike Bannister e decolou do aeroporto de Heathrow para o vôo de prova com a duração de 3 horas e 40 minutos. Este vôo, um simulado da rota Londres-Nova York, levará a aeronave sobre o oceano Atlântico até desviar para o sudoeste da Islândia e regressar para a base da Força Aérea Real (RAF), em Oxfordshire. As autoridades suspenderam todos os vôos do Concorde das linhas aéreas British Airways e Air France desde que uma das naves da frota francesa explodiu nos arredores de Paris em 25 de julho passado. No acidente, morreram 113 pessoas. Especialistas acreditam que uma barra de metal na pista rasgou um dos pneus do Concorde, cujos restos bateram contra os tanques de combustível, causando um vazamento e conseqüente incêndio que originou a tragédia. Antes do vôo de hoje, com a bandeira da British, uma equipe de quatro homens checou a pista em busca de qualquer objeto potencialmente perigoso. A British Airways reforçou o trem de aterrissagem de seus sete Concordes e modificou os tanques de combustível da frota, a fim de evitar vazamentos. A fabricante de pneus Michelin também desenvolveu um novo produto extra-resistente para evitar furos. A linha aérea britânica espera que seus aparelhos Concorde voltem a efetuar vôos comerciais até o final do terceiro trimestre. A Air France, que já testou sua frota em velocidades inferiores à do som, espera poder operar novamente os aviões depois de setembro. Em seu vôo, está previsto que o Concorde da British Airways alcance a velocidade máxima de 2.170 km por hora - cerca do dobro da velocidade do som, a uma altura de 18.300 metros. Após o vôo, o avião permanecerá em Oxfordshire para ser inspecionado pelos engenheiros. Outros vôos de prova serão programados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.