Condenação de político opositor é criticada

CARACAS

, O Estado de S.Paulo

15 de julho de 2011 | 00h00

Organizações de defesa de diretos humanos e a oposição ao regime do presidente venezuelano, Hugo Chávez, criticaram ontem duramente a condenação a dois anos de cadeia do opositor Oswaldo Álvarez Paz. Na quarta-feira, a Justiça anunciou a sentença ao ex-governador do Estado de Zulia por "difusão de informação falsa".

Álvarez havia sido preso em março de 2010, após afirmar em um programa da emissora Globovisión que o governo de Chávez viola os direitos humanos e a Venezuela havia se tornado um centro de operações para o narcotráfico. Depois de mais de um ano, em maio, a Justiça venezuelana libertou o opositor, mas impôs medidas cautelares, como apresentação periódica às autoridades, restrição à saída do país e proibição de falar sobre o caso com a imprensa.

A decisão de quarta-feira determinou que Álvarez continue em liberdade condicional. "A condenação é um duro golpe à liberdade de expressão. Demonstra como as leis elaboradas por Chávez e seus seguidores para regular o debate público podem ser usadas para castigar os críticos (do regime venezuelano)", afirmou José Miguel Vivanco, diretor para as Américas da ONG Human Rights Watch.

Para o presidente da Human Rights Foundation, Thor Halvorssen, a mensagem é clara. "Critique o presidente Chávez pela TV e você poderá se tornar um criminoso condenado."

"Eu, sinceramente, creio que (a condenação) é uma decisão ridícula e estou convencido de que esse caso nunca se tratou de um processo jurídico", disse Álvarez. Em nome da Mesa da Unidade Democrática, que reúne os partidos de oposição na Venezuela, Delsa Solórzano qualificou a condenação de Álvarez como "inconstitucional". / AFP e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.