Condenada à morte enfermeira que ajudou a matar maridos de outras duas

O Tribunal Superior de Fukuoka, oeste do Japão, confirmou hoje a condenação à morte da enfermeira Junko Yoshida, acusada de colaborar com outras três profissionais de saúde para assassinar dois maridos delas, com o objetivo de ficar com seus seguros de vida.A Corte de Fukuoka rejeitou assim uma apelação da sentença, de setembro de 2004, contra Junko Yoshida, de 46 anos, por planejar e dirigir os dois assassinatos, em 1998 e 1999, citou a agência Kyodo.Na apelação, a defesa argumentou que sua cliente não tinha controle absoluto sobre as três colegas e pedia a comutação da pena de morte por prisão perpétua.Das outras três pessoas condenadas, uma enfermeira, Hitomi Ishii, recebeu uma pena de prisão de 17 anos. Uma técnica de laboratório, Miyuki Tsutsumi, foi condenada à prisão perpétua. Outra enfermeira, Kazuko Ikegami, morreu de câncer dia 1º de setembro. Segundo o Tribunal, as quatro combinaram em janeiro de 1998 o assassinato do marido de Ikegami com uma injeção de ar nas veias. Em março de 1999, repetiram o plano com o marido de Ishii, em quem injetaram licor no estômago dele. A trama foi descoberta eme abril de 2002, quando Ishii confessou o assassinato à polícia de Fukuoka.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.