Condenado por atentado de Lockerbie quer inquérito público

Ali al-Megrahi diz que quer limpar seu nome no caso da explosão de avião na Escócia que matou 270.

BBC Brasil, BBC

29 de agosto de 2009 | 10h21

O homem condenado pelo atentado a bomba contra um avião que sobrevoava Lockerbie, na Escócia, disse que apóia apelos dos parentes das vítimas para a realização de um inquérito público sobre a atrocidade, que matou 270 pessoas, em 1988.

"Nós todos queremos saber a verdade", disse o líbio Abdelbaset Ali al-Megrahi em entrevista publicada na edição deste sábado do jornal escocês The Herald. "A verdade nunca morre."

Megrahi afirmou que está determinado a limpar o seu nome e acredita que isso pode ser feito através de uma autobiografia e da investigação aberta.

Ele disse que vai entregar todos os documentos que tem em seu poder sobre o caso para o pai de uma das vítimas da explosão da aeronave, Jim Swire, que fez vários apelos pelo inquérito.

Mas afirmou que acredita que o governo britânico vai evitar a realização de um inquérito público porque custaria muito dinheiro e também porque "mostraria o quanto os americanos estão envolvidos".

Megrahi, de 57 anos, foi condenado à prisão perpétua em janeiro de 2001 por ter participado do ataque.

Ele foi libertado por questões humanitárias, já que tem câncer na próstata em estágio terminal, e voltou à Líbia, onde foi recebido como um herói.

A medida, aprovada pelo secretário de Justiça escocês, Kenny MacAskill, foi criticada pelas autoridades americanas. O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, afirmou que foi um "erro".

O diretor do FBI (polícia federal americana), Robert Muller, disse que a decisão "faz piada com a Justiça" e dá conforto a terroristas ao redor do mundo.

O primeiro-ministro britânico, Gordon Brown, se disse "zangado" com a acolhida festiva dada a Megrahi na capital líbia, Tripoli.

O envolvimento da Líbia no atentado de Lockerbie levou a sanções econômicas ao regime do líder Muamar Kadafi, que acabou entregando dois de seus agentes para que fossem julgados.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.