Condenado por atentado na Escócia desiste de processo

O ex-agente secreto líbio Abdel Baset Ali al-Megrahi, condenado pelo atentado contra um avião da Pan Am que caiu sobre a localidade escocesa de Lockerbie, em 1988, desistiu de recorrer da condenação, anunciaram seus advogados. A decisão ocorre em um momento no qual as autoridades escocesas avaliam um pedido do condenado para ser enviado de volta à Líbia. Ali al-Megrahi padece de um câncer terminal.

AE-AP, Agencia Estado

14 de agosto de 2009 | 14h22

Nos últimos dias, a mídia britânica especulou que Ali al-Megrahi poderia ser libertado da prisão escocesa onde está detido como medida de compaixão por causa da doença. No início do ano, ele foi informado que precisaria retirar a apelação se quisesse a apreciação de um pedido de transferência para uma prisão líbia. A transferência não poderia ocorrer com a ação em andamento. No entanto, não seria necessário retirar a apelação para ter direito a uma libertação por compaixão. A retirada do recurso deverá ser apreciada na terça-feira por um tribunal escocês.

Em maio, o governo líbio requisitou, com base em um acordo mantido com a Grã-Bretanha, a repatriação de Ali al-Megrahi para que ele cumprisse o restante de sua sentença na Líbia. Separadamente, em julho, o próprio condenado, detido desde 1991, pediu à justiça escocesa que o libertasse por compaixão, alegando que sofre de um tumor terminal na próstata.

Ali al-Megrahi, em ex-agente do serviço secreto líbio, foi a única pessoa condenada pelo atentado de 21 de dezembro de 1988 contra um avião da Pan Am. A explosão ocorreu em pleno voo sobre a pequena localidade de Lockerbie, no sul da Escócia. Ao todo, 270 pessoas morreram no episódio, sendo 259 a bordo do avião e 11 em solo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.