EFE/José Jácome
EFE/José Jácome

Condenado por caso Odebrecht, vice do Equador perderá cargo por ausência

Jorge Glas, aliado do ex-presidente Rafael Correa, será destituído à meia-noite desta terça por 'falta definitiva' no exercício do cargo - infração definida pela Constituição como a ausência por mais de três meses; ele está preso desde 2 de outubro

O Estado de S.Paulo

02 Janeiro 2018 | 23h00

QUITO - O vice-presidente do Equador, Jorge Glas, perderá o cargo à meia-noite desta terça-feira, 2, devido à sua prisão por receber propinas da empreiteira brasileira Odebrecht, caso pelo qual foi condenado em primeira instância a seis anos de prisão.

Comissão legislativa aprova seguimento de pedido de impeachment contra Glas

Funcionário em atividade de mais alto escalão condenado pelo megaescândalo de corrupção da Odebrecht na América Latina até o momento, Glas deixará de ser vice-presidente diante da "falta definitiva" - por mais de três meses - no exercício do cargo, segundo a Constituição - ele está preso em Quito desde 2 de outubro.

Consultado sobre a possibilidade de Glas deixar de ser vice-presidente a partir de quarta-feira, o congressista e secretário executivo do movimento governista Aliança País (AP) Ricardo Zambrano disse nesta terça: "é claro que sim".

"É importante entender o novo momento que o Equador atravessa e também que a nova vice-presidência deve estar representada pela melhor equatoriana ou equatoriano, para o qual o presidente (Lenín Moreno) obviamente terá que enviar três nomes" ao Parlamento, acrescentou em declarações ao canal Ecuavisa.

A Carta Magna estabelece que no caso de falta definitiva do vice-presidente, o Congresso - no qual o majoritário bloco governista está dividido por uma briga de poder - escolherá seu substituto com o voto da maioria (69 dos 137 deputados) entre os três nomes apresentados pelo presidente.

Ex-aliados abrem guerra no Equador

No caso do Parlamento não se pronunciar em 30 dias, será entendido como escolhido o primeiro da lista.

'Questão de tempo'

"De pleno direito, os três meses de ausência fazem com que a falta temporária se transforme em definitiva sem a necessidade de nenhuma declaração parlamentar e sem precisar da intervenção de nenhum outro órgão do poder público", manifestou o constitucionalista Rafael Oyarte.

Acrescentou que "a partir de amanhã (quarta-feira) o presidente Moreno já está habilitado a apresentar os três nomes", uma tarefa para a qual não tem prazo. 

Dirigente da ala morenista no AP, Zambrano assinalou que "é uma questão de tempo para que o presidente envie a lista". Segundo transpareceu, esta poderia incluir a atual vice-presidente interina, María Vicuña, e a ministra da Indústria, Eva García.

Um tribunal penal da máxima Corte de Justiça do Equador condenou Glas em 13 de dezembro a seis anos de prisão por associação criminosa como parte do caso Odebrecht, que atingiu políticos de alto nível em 12 países da América Latina e África.

Glas, de 48 anos, foi julgado por receber propinas da Odebrecht no valor de US$ 13,5 milhões por meio de um tio, que enfrenta a mesma sentença.

Correa ameaça voltar ao Equador para convocar Constituinte e voltar à presidência

A indagação da Procuradoria que levou à prisão Glas, que anunciou que apelará da sentença, coincidiu com uma crise no AP. O partido governista está rachado entre os partidários de Moreno e os do ex-governante Rafael Correa (2007-2017).

Julgamentos penal e político

Glas, aliado de Correa e que diz ser um perseguido político, foi responsável por setores estratégicos durante o correísmo e é vice-presidente desde 2013. Em agosto, Moreno retirou suas funções em meio a uma briga de poder.

Eleito com Moreno, o ainda vice-presidente sustenta que é inocente e não faltou ao cargo porque está fazendo uso de suas férias, algo que o governo não reconhece.

O ministro de Gestão da Política, Miguel Carvajal, antecipou que o novo vice-presidente deverá garantir "coerência e continuidade com o programa político" de Moreno, que assumiu em maio por quatro anos e trocou duras críticas com Glas e Correa.

Além da condenação em primeira instância, Glas enfrenta um pedido de julgamento político no Congresso apresentado pela oposição e apoiado pela ala morenista.

A Corte Constitucional já autorizou o julgamento político, mediante o qual o Legislativo - que ainda não colocou data - pode censurar e destituir funcionários de alto escalão.

Em 4 de fevereiro haverá uma consulta popular proposta por Moreno para decidir se inabilita condenados por corrupção a participar da política e se acaba com a reeleição indefinida, a fim de encerrar a possibilidade de que Correa retorne à presidência em 2021.

A campanha para o referendo se iniciará na quarta-feira e Correa anunciou no Twitter nesta terça que chegará "à Pátria em 4 de janeiro, para estar com companheiros nesta luta contra a traição e a  partidocracia". / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.