Condenado por queda de avião na Escócia é libertado

A Justiça escocesa libertou hoje o ex-agente secreto líbio Abdel Baset Ali al-Megrahi. Ele foi o único condenado pelo atentado à bomba contra um voo da Pan Am que matou 270 pessoas em Lockerbie, na Escócia, em 1988. A decisão foi classificada como "um erro" pelo presidente dos Estados Unidos e provocou indignação entre os familiares das vítimas. A Escócia alegou "razões humanitárias" para libertar Ali al-Megrahi depois do aviso dos médicos de que ele morreria em três meses devido a um câncer na próstata. Ao desembarcar hoje em Tripoli, capital da Líbia, o condenado a prisão perpétua foi recebido com festa por milhares de pessoas.

AE-AP, Agencia Estado

20 de agosto de 2009 | 19h19

"Nós fizemos contato com o governo escocês para indicar nossa objeção", disse o presidente americano Barack Obama. Segundo ele, Ali al-Megrahi "deveria cumprir o resto da pena em prisão domiciliar". O secretário de Justiça da Escócia, Kenny MacAskill, disse que Ali al-Megrahi não mostrou compaixão por suas vítimas, mas foi beneficiado pelos valores humanos dos escoceses e "enfrentará agora uma sentença imposta por um poder superior".

Ali al-Megrahi, um ex-agente do serviço de inteligência da Líbia, foi preso em 2001 com base, principalmente, no depoimento de um lojista de Malta que diz ter vendido uma camisa a ele antes do atentado. Mais tarde, uma das bombas encontradas nos destroços da aeronave foi encontrada envolta em pedaços da roupa. Críticos da sentença chamam a atenção para a precariedade da prova usada pela corte para condenar Ali al-Megrahi.

"Eu disse nos termos mais claros possíveis e espero que todas as pessoas na Terra ouçam: tudo isso que eu tive de enfrentar foi por uma coisa que eu não fiz", disse ele. Em Trípoli, o ex-prisioneiro é considerado uma vítima da campanha que o Ocidente promove contra a Líbia. Por isso, a libertação de al-Megrahi foi festejada pela população como uma vitória moral. O terrorista cumpria o oitavo ano da pena.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.