Condoleezza destaca boa relação entre Brasil e EUA

A secretaria americana de Estado, Condoleezza Rice, disse ontem que a relação entre Brasil e EUA atingiu seu melhor ponto em toda a história no governo do presidente George W. Bush. Ela também afirmou que uma "grande democracia com um crescente papel global" como o Brasil tem um "argumento justo" para pedir uma cadeira permanente do Conselho de Segurança da ONU. Mas esta reivindicação teria de ser colocada dentro da perspectiva de uma ampla reforma do órgão.Em uma longa entrevista à Agência France Presse, Condoleezza declarou que "os EUA nunca tiveram uma relação mais forte com o Brasil". Segundo a secretária, Washington reconhece "a emergência do Brasil como uma democracia multiétnica pronta para a liderança global". Ela enfatizou que esta relação foi construída durante o governo de Bush e com um governo de esquerda no Brasil. "O presidente Lula é de esquerda, e eu acho que a maioria das pessoas não esperava que os EUA e o Brasil tivessem esse tipo de relacionamento forte."Ela acrescentou que o fim da Guerra Fria liberou os EUA do prisma anti-soviético na América Latina, e permitiu que relações de amizade fossem forjadas com países democráticos e a favor do comércio e dos livres mercados, independentemente de os governos terem origem na direita ou na esquerda. Além do Brasil, ela citou Colômbia, Chile e Uruguai como países próximos dos EUA, mas admitiu que a relação com Venezuela, Nicarágua e Equador é pior.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.