Condoleezza nega, por enquanto, uso da força militar contra Irã

A secretária de Estado americana, Condoleezza Rice, disse hoje que Washington não descarta nenhuma opção, inclusive a militar, no conflito nuclear com o Irã, mas afirmou que o uso da força "não está na agenda agora". "Estamos em um processo no qual achamos que pode funcionar a via diplomática", disse Condoleezza em entrevista coletiva ao lado de seu colega britânico, Jack Straw, em Blackburn (noroeste da Inglaterra). Condoleezza começou hoje uma visita oficial ao Reino Unido em meio a protestos de grupos opostos à Guerra do Iraque, e reconheceu que os iranianos estão "preocupados com seu isolamento", mas ressaltou que "é o regime iraniano", e não a comunidade internacional, "quem isola o Irã". A chefe da diplomacia dos EUA declarou que seu país aceita que o Irã tenha direito à energia nuclear com fins civis, mas afirmou que, devido ao histórico do regime de Teerã com a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), "não é concebível a idéia de permitir o processamento (de material nuclear) em território iraniano". Conferência de Desarmamento O ministro de Assuntos Exteriores do Irã, Manouchehr Mottaki, afirmou na última quinta-feira, durante a Conferência de Desarmamento, em Genebra, que as negociações sobre o programa de enriquecimento de urânio de seu país devem continuar. O Irã rejeitou o pedido feito pelos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança e a Alemanha, para que encerre o enriquecimento de urânio.

Agencia Estado,

31 Março 2006 | 10h47

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.