Conferência da ONU sobre terrorismo gera críticas aos EUA

O presidente do Paquistão, Pervez Musharraf, disse, numa conferência internacional sobre terrorismo, que a rede A-Qaeda tornou-se ?Uma sombra do que foi no passado?, mas que a situação no Iraque poderá gerar mais instabilidade no mundo. ?Há um sentimento crescente entre os muçulmanos de que o Islã, como religião, virou alvo?, alertou.O secretário-geral das Nações Unidas, Kofi Annan, abriu a conferência dizendo que os líderes mundiais devem enfrentar as ?raízes? do terrorismo e disse que campanhas militares não são a única maneira de combater o terror.Referindo-se às possíveis causas do terrorismo, o presidente da França, Jacques Chirac, fez uma referência velada à ocupação do Iraque pelos EUA, falando sobre as maneiras pelas quais o terror pode vestir ?a máscara da justiça e da solidariedade?. ?Quando um país está sob ocupação estrangeira, (o terror) injustamente captura a luta por liberdade para seus próprios fins. Quando uma comunidade se sente agredida, o terrorismo alega agir em seu nome?, disse.A conferência patrocinada pela ONU reuniu mais de 20 chefes de Estado, incluindo o presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva. O presidente dos EUA, George W. Bush, e o secretário de Estado Colin Powell foram convidados, mas declinaram.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.