Conferência do clima atravessa prazo sem acordo

Diversos ministros e negociadores climáticos deixaram hoje a cidade sul-africana de Durban sem que um acordo tivesse sido alcançado e em um momento no qual o prazo se esgota ante à perspectiva de que a ausência de um pacto coloque em risco as mais recentes iniciativas na luta contra o aquecimento global.

AE, Agência Estado

10 de dezembro de 2011 | 13h53

Negociadores de 194 países atravessaram as noites de quinta e sexta-feira na busca por um acordo. No entanto, quase 24 horas depois do horário previsto para o encerramento das negociações climáticas, os trabalhos mantinham-se presos a um impasse aparentemente relacionado à próxima fase do combate às mudanças climáticas.

Caso não haja tempo para uma definição, existe a possibilidade de uma nova conferência ser convocada em breve para viabilizar a conclusão dos debates. Existe também a possibilidade de os ministros se reunirem às margens da Rio +20, em maio do próximo ano, para buscar um acordo. Um dos principais pontos de impasse é uma cláusula encorajando os países a prometerem reduções mais ousadas de gases causadores do efeito estufa.

Mais de 80 países já fizeram promessas voluntárias ou transformaram em lei o controle de emissões de poluentes. Juntos, no entanto, eles não seriam suficientes para reverter uma elevação potencialmente catastrófica das temperaturas globais no decorrer do século, segundo projeções e modelos científicos amplamente aceitos. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
conferência do climaDurban

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.