Confinamento em Serra Leoa transcorre sem problemas

Medida é uma estratégia do governo para conter avanço do vírus do Ebola no país

O Estado de S. Paulo

20 de setembro de 2014 | 10h53

Milhares de funcionários da área de saúde se espalharam ontem por Serra Leoa sem maiores transtornos, no primeiro dia de um confinamento de toda a população do país como parte de uma estratégia para combater a disseminação do ebola.

Stephen Gauja, coordenador de um centro de operações emergenciais em Freetown, disse neste sábado, 20, que não foram registrados casos de violência e que os residentes na capital do país colaboraram com funcionários do governo e voluntários que distribuíram sabonetes e informações sobre a doença mortal.

O governo vai confinar os seis milhões de habitantes de Serra Leoa em suas casas até amanhã, numa tentativa de conter a maior epidemia de Ebola da história.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), as mortes causadas por ebola em Serra Leoa já ultrapassam 560. No oeste da África, foram registrados mais de 2.600 óbitos. Além de Serra Leoa, o surto também atinge a Libéria, Guiné, Nigéria e Senegal. (Fonte: Associated Press)

Mais conteúdo sobre:
Serra Leoaebolaconfinamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.