Confirmada autenticidade de documento assinado por Saddam

Especialistas em grafologia confirmaram a autenticidade da assinatura de Saddam Hussein em diversos documentos que ligam o ex-ditador à repressão contra xiitas nos anos 80, informaram promotores nesta segunda-feira durante uma nova sessão do julgamento do líder iraquiano. O relatório dos especialistas afirma que a assinatura em um documento que aprova o pagamento de recompensas para agentes de inteligência envolvidos nas ações de repressão era de Saddam. No começo da sessão, o ex-líder se recusou a confirmar ou negar a autenticidade da assinatura. Outros réus do julgamento afirmaram que suas assinaturas eram forjadas. Os advogados de defesa do presidente iraquiano contestaram imediatamente as análises grafológicas e pediram que uma nova análise seja feita por especialistas estrangeiros - desde que não sejam iranianos nem israelenses. "Exigimos que sejam nomeados especialistas estrangeiros que não sejam empregados do Ministério de Interior", disse o advogado Khamis al-Obaidi. Os grafólogos do Irã também foram descartados "por causa de sua óbvia hostilidade para com os árabes e o Islã". Em seguida, Saddam gritou: "E de Israel, pois não consideramos Israel um Estado". Depois de ouvir o relatório sobre a conclusão da análise, o juiz Raouf Abdel-Rahman decretou recesso até quarta-feira para que os grafólogos tenham tempo de verificar outros documentos. Saddam é acusado da morte de 148 xiitas em Dujail em 1982. Ele e os outros sete réus no processo podem ser sentenciados à morte caso venham a ser condenados.

Agencia Estado,

17 Abril 2006 | 19h07

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.