Confirmada pena de morte para membros de seita em Tóquio

O Tribunal Supremo de Tóquio ratificou as sentenças de morte de dois integrantes de uma seita religiosa que lançou um ataque com gás sarin no metrô de Tóquio, causando a morte de 12 pessoas e ferimentos em milhares de outras. Outros quatro integrantes da seita foram detidos no início deste mês por possível tentativa de assassinato contra o chefe da polícia nacional do Japão. O tribunal supremo descartou as apelações de Toru Toyoda, de 36 anos, e Kenichi Hirose, de 40, que foram condenados à forca por outra corte em 2000, segundo uma porta-voz judicial, Sadakazu Takagi. Os dois homens figuram entre os cinco membros do grupo Aum Shinrikyo que atacaram com gás sarin o metrô, em 20 de março de 1995. O alto tribunal também ratificou a decisão do Tribunal Distrital de Tóquio de condenar à prisão perpétua Shigeo Sugimoto, de 45 anos, que dirigia o automóvel no qual fugiu um terceiro atacante. No total, 13 membros da seita foram sentenciados à morte pelo ataque com sarin. Nenhum deles, no entanto, foi executado até agora.

Agencia Estado,

28 de julho de 2004 | 13h50

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.