Confirmado 13º caso de antraz nos EUA

Um funcionário de uma instalação postal do Departamento de Estado em um subúrbio da Virgínia está hospitalizado com antraz, anunciou hoje um porta-voz, na mais recente evidência de que se estende a ameaça bioterrorista contra os Estados Unidos. O porta-voz Richard Boucher afirmou que o carteiro, que não foi identificado, trabalha em uma instalação em Sterling, Virgínia, e que foi ao hospital na terça-feira com sintomas semelhantes aos da gripe. Boucher acrescentou que o exame de antraz do carteiro "deu positivo". O diagnóstico confirma o 13º caso conhecido de antraz nos EUA nas últimas semanas, em sua maioria com conexões postais. Boucher fez o seu anúncio enquanto o diretor de segurança interna, Tom Ridge, afirmava a jornalistas que o antraz em uma carta enviada ao líder da maioria do Senado, Tom Daschle, era altamente concentrado e puro, além de ter sido produzido "para ser absorvido mais facilmente" por suas vítimas. Ridge anunciou também, na Casa Branca, que o Serviço Postal iniciou exames ambientais em 200 instalações na costa atlântica. Ele falou enquanto as autoridades informavam que o número de norte-americanos que tomaram antibióticos a pedido do governo subiu para 10.000. Por sua parte, Dascher anunciou que uma ala de um edifício do Senado será fechada devido à contaminação por antraz. As autoridades de saúde pública aguardavam os resultados dos exames realizados em uma mulher não identificada em um hospital de Washington, que segundo se revelou ontem à noite teria inalado antraz. A mulher estava presente no edifício do escritório de Daschle no dia em que a carta contaminada foi aberta. Ridge informou que exames adicionais confirmaram que a bactéria do antraz encontrada em cartas remetidas a Daschle, Nova York e Flórida eram da mesma cepa e que não haviam sido alteradas geneticamente. Ele disse também que essa era uma boa notícia "porque significa que todas as amostras respondem aos antibióticos e, por tanto, as pessoas expostas a elas podem ser tratadas". No entanto, ele esclareceu que o material que caiu da carta a Baschle tinha características distintas das outras amostras. "É altamente concentrado. É puro e os esporos são menores", afirmou. "Por esse motivo, é mais perigoso porque pode ser absorvido facilmente pelo sistema respiratório". Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.