Confirmado primeiro caso de antraz por inalação em NY

Uma funcionária de um setor administrativo de um hospital de Nova York contraiu antraz por inalação e está internada desde domingo em estado crítico, respirando com o auxílio de aparelhos. A mulher, não identificada, tem 61 anos, trabalhava num setor de suprimentos que fica ao lado da seção de correspondências do estabelecimento, especializado em otorrinolaringologia e localizado na Ilha de Manhattan. As autoridades sanitárias não sabem ainda como ela foi contaminada, mas adiantaram que o caso parece ser diferente dos outros surgidos até agora. "Não há um vínculo claro com a correspondência", disse o doutor Steven Ostroff, do Centro para Controle e Prevenção de Enfermidades, um organismo federal. Não havia evidências de que ela tenha recebido carta ou pacote com esporos (a bactéria dormente). Bactéria poderia propagar-se por outros meios Pouco mais tarde, no entanto, o doutor Jeffrey Koplan, diretor do Centro, sugeriu um vínculo possível ao dizer que naquele hospital o correio interno e o depósito onde a mulher trabalhava estavam ligados devido a uma reestruturação interna efetuada nas últimas duas semanas. Trata-se do primeiro registro de antraz por inalação - a forma mais letal da enfermidade - em Nova York. Até então, a cidade tivera registrados três casos de contaminação pela pele em pessoas vinculadas a meios de comunicação. A doença na forma cutânea é facilmente tratável com antibióticos. Outras seis pessoas contraíram a doença por inalação, das quais três morreram (duas em Washington e uma na Flórida), duas estão internadas (ambas da capital) e outra teve alta (também da Florida). No total, há 16 casos de antraz confirmados no país. "A mulher está em estado crítico. Há evidências de que o antraz inalado liberou grande quantidade de toxinas e prejudicou de forma sistemática seu organismo. Nesse momento, ela está lutando para sobreviver", declarou o diretor do Departamento de Saúde de Nova York, Neil Cohen. Segundo o prefeito de Nova York, Rudolph Giuliani, o estado dela é tão precário que os médicos e as autoridades não puderam entrevistá-la para investigar o possível foco de contágio. "Não há indicações de que algum outro funcionário do hospital tenha tido contato com a bactéria", afirmou Giuliani. Os peritos coletaram amostras de material em várias alas do estabelecimento e todos os testes deram negativo. Cerca de 300 empregados foram submetidos a exames. Pessoas que estiveram no local serão contatadas para testes. Koplan disse aos jornalistas que o número de pessoas que está tomando antibióticos atualmente ascende a dezenas de milhares e o governo está tentando colher informações sobre possíveis efeitos secundários. Ao mesmo tempo, as autoridades de New Jersey confirmaram que uma contadora de 51 anos residente em Hamilton Township, não vinculada ao serviço postal, adquiriu a forma cutânea de antraz. A fonte de sua infecção ainda é desconhecida, mas as autoridades disseram que ela pode ter adquirido a doença ao manusear uma carta ou pacote. Leia o especial

Agencia Estado,

30 Outubro 2001 | 20h11

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.