Conflito armado em Medellín deixa pelo menos 6 mortos

Pelo menos três rebeldes e três membrosdas forças de segurança morreram nesta quarta-feira em uma grandeoperação das Forças Armadas da Colômbia e da polícia pararecuperar o controle do bairro Comuna 13 de Medellín. Segundo o chefe da IV Brigada do Exército, Mario Montoya,foram recuperados os corpos de três guerrilheiros urbanos, entreeles o do suposto líder dos Comandos Armados do Povo, grupopróximo ao insurgente Exército de Libertação Nacional (ELN). A assessoria de imprensa da Polícia Metropolitana de Medellíninformou hoje que estão ocorrendo intensos conflitos no localdesde as primeiras horas da madrugada. Montoya afirmou que, segundo informações coletadas entre oshabitantes locais, o número de milicianos mortos até agora podechegar a 10. Ele disse também que três soldados morreram e ummilitar e outro policial ficaram feridos em meio aos choquesarmados. O prefeito de Medellín, Luis Pérez, afirmou que as forças desegurança de Medellín, cidade localizada a cerca de 250quilômetros ao noroeste de Bogotá, receberam uma ordem dopresidente Alvaro Uribe para continuar "trabalhando até que azona se pacifique". Entre as medidas que serão adotadas pela prefeitura parareduzir a violência em Comuna 13 estão a instalação de uma basemilitar no local e a imposição de um toque de recolher. As milícias e os paramilitares travam há vários meses umaintensa guerra pelo controle dos bairros periféricos de Medellín uma cidade com dois milhões de habitantes. Em um incidente separado, uma pessoa morreu na explosão deduas pequenas bombas no porto turístico de Barranquilla, nacosta norte do país, informaram autoridades. A polícia dissedesconhecer os autores dos atentados, ocorridos ontem à noite.As explosões também causaram danos em várias lojas da cidade,localizada a 700 quilômetros ao norte de Bogotá.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.