Conflito entre militares e pistoleiros mata 10 no México

Militares mexicanos entraram em confronto ontem com pistoleiros que aparentemente buscavam montar uma base na área e dez supostos agressores morreram, segundo o governo estadual. Soldados e membros da Marinha investigavam uma versão de que havia homens armados em Infonavit, Río Medio, quando foram atacados, informou o governo de Veracruz. O tiroteio começou após as tropas perseguirem alguns dos pistoleiros que escaparam do local.

AE, Agência Estado

20 de abril de 2011 | 14h41

As forças militares apreenderam três fuzis automáticos, três uniformes de polícia e dois automóveis, informou o governo do Estado, localizado na costa do Golfo do México. A Cruz Vermelha de Veracruz informou em comunicado que uma bala perdida do tiroteio atingiu o braço de um homem que estava em casa.

Veracruz é um dos Estados mais afetados pela violência do narcotráfico, particularmente após o rompimento de uma aliança entre os cartéis do Golfo e Los Zetas. Ainda ontem, a Secretaria da Defesa Nacional do México informou sobre a prisão de nove suspeitos de envolvimento com os 145 cadáveres encontrados em covas coletivas no início do mês no povoado de San Fernando, no Estado fronteiriço de Tamaulipas.

Os suspeitos foram capturados na segunda-feira em Ciudad Victoria, capital de Tamaulipas, e portavam três armas quando foram presos. Supõe-se que no grupo há membros do cartel Los Zetas que trabalham como espiões ou informantes, pistoleiros ou facilitadores para tarefas logísticas da quadrilha. Havia quatro mulheres entre os suspeitos.

Membros do Los Zetas supostamente obrigaram um grupo de passageiros a descer de um ônibus no fim de março, possivelmente para recrutar mais membros. Segundo as autoridades, os suspeitos confessaram ter participado do sequestro dos passageiros de um ônibus para Los Zetas, "para que um integrante dessa organização selecionasse as pessoas".

Os 145 corpos foram encontrados no mesmo povoado onde as autoridades dizem que Los Zetas mataram 72 imigrantes em agosto. Estes aparentemente foram assassinados pois se negaram a trabalhar para Los Zetas. A Procuradoria Geral da República afirmou ontem que 22 pessoas foram detidas para interrogatório, dentro de uma investigação no caso de San Fernando, elevando para 55 o número de suspeitos no caso. Quase 37 mil pessoas foram mortas desde que o México lançou uma ofensiva contra o narcotráfico, em 2006. As informações são da Associated Press e da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Méxicoconfrontomilitarespistoleiros

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.