Conflito entre xiitas aumenta no Iraque

Pelo menos mais dois policiais foram mortos na terça-feira na cidade de Amarah, sul do Iraque, durante combate entre os xiitas. Essas mortes aconteceram depois que quatro policiais foram assassinados na segunda, acusados por militantes do exército de Mahdi, liderado pelo líder espiritual xiita Muqtada al-Sadr. A onda de mortes entre os xiitas tem sido o novo desafio para o governo iraquiano e as forças militares dos Estados Unidos na tentativa de controlar o derramamento de sangue entre os insurgentes, especialmente em Bagdá. Eles querem efetivar um acordo entre o partido de al-Sadr e os representante das Brigadas Badr, o Supremo Conselho para a Revolução Islâmica, membros da coalização xiita.Os ataques aconteceram apesar de um pedido público feito por al-Sadr para que as mortes cessassem. "Eu rejeito totalmente qualquer luta entre xiitas ou entre xiitas e sunitas do Iraque sob qualquer pretexto", disse al-Sadr. "Proteger o Iraque e expulsar as tropas norte-americanas é o nosso maior objetivo".Seqüestro do tradutorUm porta-voz do exército norte-americano disse que não há nenhuma novidade concreta sobre o destino do militar desaparecido na segunda-feira. Alguns combatentes carregavam fotos do companheiro e batiam de porta em porta no centro de Karradah, bloqueado desde a noite de segunda, enquanto helicópteros sobrevoavam a região.O nome do soldado e outros detalhes pessoais não foram oficialmente liberados, embora as tropas americanas tenham dito na TV al-Furat, administrada por xiitas, que estão procurando por um oficial norte-americano, descendente de iraquianos, que saiu para visitar familiares em Karradah. "Não sabemos de nada", disse o tenente-coronel Christopher Garver, porta-voz americano em Bagdá. "Estamos certos de que as forças norte-americanas estão fazendo tudo que podem nas buscas".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.