Conflito étnico faz presidente da China desistir de G-8

O grupo das cinco economias emergentes (Brasil, China, Índia, México e África do Sul) será aberto hoje na cidade italiana de L''Aquila sem a presença do presidente chinês, Hu Jintao. Ele embarcou ontem de volta ao seu país devido ao acirramento do conflito étnico na região de Xinjiang, segundo confirmou a agência oficial Xinhua. A ausência de Hu terá impacto ainda maior amanhã, quando o G-5 se encontrará com os líderes do G-8 (o grupo dos sete países mais industrializadas e a Rússia) e quando o Foro das Maiores Economias se reunirá para fechar um acordo que definirá uma meta de corte de emissão de gases do efeito estufa - em princípio, de redução de 50% até 2050.

AE, Agencia Estado

08 de julho de 2009 | 07h57

O cancelamento enfatiza a urgência que os líderes de Pequim enfrentam para buscar uma solução para os protestos, que chamaram atenção internacional. Ao menos 156 pessoas foram mortas durante uma manifestação domingo em Urumqi, na província Xinjiang. Mais de 1 mil ficaram feridas, de acordo com a agência oficial Xinhua.

Na noite de ontem, a embaixada chinesa em Roma emitiu uma nota na qual explicou que a partida se deveu a "questões internas e à situação em Xinjiang". Além da visita à Itália, Hu planejava originalmente visitar Portugal depois do término da cúpula do G-8. A Xinhua afirmou que a data da visita à Portugal será marcada mais tarde. Com informações da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
ChinapresidenteHu JintaoUrumqiG-8

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.