Conflito no Iraque matou 5.500 civis neste ano, diz ONU

Os conflitos recentes no Iraque já deixaram 5.500 mortos neste ano, segundo relatório da Organização das Nações Unidas (ONU) divulgado nesta sexta-feira. O documento trata do problema humanitário desencadeado pela ofensiva dos militantes sunitas no país.

Agência Estado

18 Julho 2014 | 16h13

O grupo extremista islâmico, que declarou o Estado Islâmico no Iraque e no Levante (EIIL), tomou a cidade de Fallujah e parte de Ramadi, na província de Ambar, no começo de janeiro. Os militantes intensificaram os ataques no mês passado e dominaram grandes áreas do norte e do oeste do país.

Segundo a ONU, pelo menos 5.576 civis foram mortos nos últimos seis meses e outros 11.665 ficaram feridos até junho. Outros 1,2 milhão de pessoas foram expulsas de casa devido à violência da região.

Os dados mostram um aumento do conflito em relação a 2013. Ano passado, que já foi um dos mais violentos do Iraque, 7.800 civis morreram em 12 meses.

O conflito "infligiu grande dificuldades e sofrimento à população civil, incluindo assassinatos em massa, ferimentos, destruição de vidas e de propriedades", afirmou o relatório. O documento traz indicações de que os abusos foram cometidos por ambas as forças envolvidas no conflito. Os militantes são acusados de violência sexual e sequestros, enquanto o governo do Iraque fez execuções sumárias, de acordo com a ONU.

As Nações Unidas fizeram um apelo para que todos os envolvidos no conflito garantam proteção aos civis e respeitem as leis internacionais de direitos humanos. Fonte: Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
Iraqueviolência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.