Conflitos deixam seis policiais feridos em Paris

Seis policiais foram feridos em confrontosem bairros da periferia de Paris na noite de sexta-feira para sábado, quando também foram incendiados dois ônibus e pelo menos 20carros, no primeiro aniversário da morte de dois jovens adolescentes de origem africana. A tragédia de 2005 desencadeou a maior onda de protestos na França desde maio de 1968. A polícia, entretanto, disse que foi uma "noite relativamente tranqüila". Um comunicado o Ministério do Interior informou que houve poucos incidentes. Foram detidas 25 pessoas, 21 delas naregião de Paris. No bairro de Bosquets, da cidade de Montfermeil, na periferia norte de Paris, cerca de 30 jovens encapuzados enfrentaram a polícia, pouco antes de meia-noite. Os distúrbios começaram com um carro da polícia sendo apedrejado, segundo fontes policiais, que confirmaram que pelo menos cincooutros veículos foram incendiados no bairro. Em Seine-Saint-Denis 20 carros foram queimados antes de meia-noite. Dois ônibus também foram incendiados na cidade de Blanc-Mesnil, sem registro de feridos. Um dos ônibus foi atacado no fim da tarde de sexta-feira. Dois homens encapuzados armados e com galões de gasolina obrigaram os 15 passageiros e o motorista a sair do veículo antes de provocar oIncêndio. A incêndio do segundo ônibus aconteceu uma hora e meia depois, em outro ponto da mesma localidade. Dez pessoas encapuzadas quebraram as janelas e lançaram coquetéis molotov dentro do coletivo. O prefeito de Blanc-Mesnil, Daniel Feurtet, insistiu em ligar o caso aos distúrbios do ano passado. Ele disse que o policiamento estevenormal durante a noite. Reforço policialAs autoridades tinham anunciado um reforço de 4 mil policiais e gendarmes nos bairros considerados mais sensíveis. Seis ônibus foram incendiados na França nos últimos dois dias. Na onda de distúrbios do ano passado, mais de 10 mil veículos, em sua maioria carros particulares, foram queimados. Mais de 300 edifícios públicos ou privados foram alvo de vandalismo. Na sexta-feira mais de mil pessoas participaram de uma passeata silenciosa em Clichy-sous-Bois, periferia norte de Paris, onde há um ano dois adolescentes morreram eletrocutados ao se esconder num transformador elétrico quando achavam que estavam sendo perseguidos pela polícia.A morte dos dois detonou uma onda de violência que durou três semanas envolvendo dezenas de bairros das principais cidades da França. Os distúrbios levaram o governo a decretar temporariamente estado de emergência.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.