Conflitos entre Exército libanês e sunitas pró-Assad deixam 16 mortos

Confronto começou no domingo, quando forças de segurança prenderam seguidor de clérigo radical

O Estado de S. Paulo,

24 de junho de 2013 | 12h37

Conflito deixou carros queimados em Sidon. Foto: Ali Hashisho / Reuters

BEIRUTE - O conflito na Síria voltou a se espalhar para o Líbano nesta segunda-feira, 24. Soldados libaneses enfrentaram atiradores islâmicos sunitas na cidade de Sidon. Ao menos 24 militares morreram, segundo o governo libanês.

Veja também:

linkVISÃO GLOBAL: Um parasita sanguessuga na Síria

Uma fonte de segurança libanesa disse que um cessar-fogo havia sido acordado entre os dois lados na segunda-feira à tarde e o som de tiros cessaram. O Exército permaneceu em suas posições ao redor do complexo da mesquita da cidade.

O confronto começou no domingo, quando forças de segurança detiveram um seguidor do clérigo radical sunita Sheikh Ahmed al-Assir. Seus apoiadores reagiram abrindo fogo contra um posto de controle do Exército. Os radicais sunitas são partidários dos rebeldes sírios que tentam derrubar o regime de Bashar Assad, que tem como um de seus principais aliados o grupo fundamentalista radical libanês Hezbollah.

O Exército prometeu eliminar as forças de Assir, acusando-os de tentar mergulhar o Líbano em uma repetição de sua guerra civil de 1975 a 1990. O contágio do conflito sírio já resultou em combates mortais nas ruas da cidade de Trípoli, no norte do país, e em ataques com foguetes em Beirute e no vale do Beka. / REUTERS e AP

Mais conteúdo sobre:
SíriaLíbanoHezbollah

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.