Conflitos entre norte e sul Sudão deixam ao menos 58 mortos

Segundo autoridades, Exército independente do sul do país atacou tribos árabes do norte

Agência Estado e Reuters,

25 de abril de 2010 | 20h02

Autoridades do Sudão afirmaram neste domingo, 25, que conflitos ao longo da fronteira norte-sul do país, entre soldados e nômades árabes, ao menos 58 mortos e 85 feridos em Darfur do Sul, elevando a tensão sobre a fronteira entre o norte e o sul do país enquanto são divulgados os resultados das primeiras eleições abertas do país em 24 anos.

 

O sul do Sudão, produtor de petróleo, conseguiu manter um Exército separado e uma forma de governo semiautônomo após o acordo de paz de 2005 que acabou com mais de duas décadas de guerra civil com o norte. Os habitantes do sul participarão em um referendo sobre sua independência em janeiro de 2011.

 

"Houve distúrbios entre a (tribo) Rizeigat e o SPLA (O Exército de Separação do Povo do Sudão). Não posso dizer quem atacou primeiro, mas se enfrentaram", disse à Reuters o líder da tribo árabe Rizeigat, Mohamed Eissa Aliu, no sul de Darfur.

 

"(O conflito) ocorreu na sexta e 58 dos Rezeigat morreram, e 85 ficaram feridos", afirmou, acrescentando que o enfrentamento ocorreu em Balballa, no sul de Darfur, que faz divisa com o estado de Bahr al-Ghazal.

 

O SPLA alegou que foi atacado por um Exército do norte (SAF) em Raja, uma área remota do estado de Bahr al-Ghazal, onde ao menos cinco funcionários do governante Partido Congresso Nacional e outras quatro pessoas morreram nas mãos de um soldado do sul durante os cinco dias de eleições a partir de 11 de abril.

 

Os resultados das votações, ofuscadas por boicotes no norte e acusações de fraude, estão sendo anunciados lentamente após dois dias de atrasos.

 

A comunidade internacional está preocupada, pois faltando oito meses para o referendo para a independência, não existem acordos sobre temas como a demarcação da fronteira norte-sul, os direitos das tribos nômades e a cidadania.

O vice-governador de Darfur do Sul, Farah Mustafa, afirmou que uma comissão está na área para determinar o número de pessoas envolvidas. As tensões ao longo da região são fortes no Sudão porque boa parte da fronteira não é demarcada. No ano que vem, o sul do país vai votar para decidir sua separação do norte. Aparentemente, os conflitos não têm relação com a votação.

Tudo o que sabemos sobre:
SudãoviolênciaárabesExército

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.