Conflitos matam 62 pessoas em três dias no Paquistão

Três dias de choques entre forças de segurança e milicianos islâmicos no noroeste do Paquistão resultaram na morte de 62 pessoas, sendo 56 supostos rebeldes e seis soldados, informou hoje o Exército paquistanês. A imprensa não tem como confirmar de forma independente a quantidade e a origem das vítimas pelo fato de ser proibido o acesso de jornalistas à região afetada, situada nas proximidades da fronteira com o Afeganistão.

AE-AP, Agencia Estado

21 de julho de 2009 | 10h13

De acordo com o Exército, a maioria das mortes ocorreu entre o domingo e ontem em Maidan, perto do Vale do Swat. Mais de 50 milicianos morreram nesses dois dias. O Exército paquistanês promove atualmente uma campanha contra milicianos islâmicos ligados ao Taleban no noroeste de seu território. O Paquistão afirma ter matado mais de 1.700 supostos milicianos, mas não fornece cifras referentes a civis possivelmente mortos na operação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.