Conflitos matam comandante e 4 oficiais no Afeganistão

O comandante da polícia de Kandahar e pelo menos mais quatro oficiais morreram hoje em um choque com guardas afegãos que estariam a serviço do Exército dos Estados Unidos, informou o governo do país centro-asiático. O presidente do Afeganistão, Hamid Karzai, denunciou o incidente e exigiu que a coalizão militar estrangeira presente em seu país entregasse os envolvidos às autoridades locais. Horas depois do episódio, o governador de Kandahar, Thoryalai Wesa, anunciou a detenção de 41 guardas afegãos suspeitos de envolvimento no incidente.

AE-AP, Agencia Estado

29 de junho de 2009 | 13h14

Segundo ele, os suspeitos foram desarmados e detidos e seriam enviados a Cabul, onde enfrentariam um tribunal militar. De acordo com funcionários do governo, o comandante de polícia Matiullah Qati morreu no tiroteio ocorrido diante do gabinete da procuradoria-geral de Kandahar, no sul afegão. Há divergências com relação ao número total de mortos no ataque, de acordo com as fontes consultadas pela Associated Press. Enquanto algumas falam em quatro mortos além de Qati, outras dizem que o número total chegaria a dez, incluindo o comandante de polícia.

Por meio de um comunicado, o Exército norte-americano negou envolvimento e alegou tratar-se de um problema "entre afegãos". Mais cedo, uma porta-voz militar dos EUA alegou que os guardas afegãos envolvidos aparentemente estavam tentando libertar pessoas detidas pelo governo local. O incidente ocorre dias depois de o general americano Stanley McChrystal ter assumido o comando das forças dos EUA e da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) no Afeganistão.

Tudo o que sabemos sobre:
Afeganistãoconflitos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.