Conflitos na Síria já deixaram mais de 50 mil mortos

Entre os civis mortos, 3,7 mil tinham menos de 18 anos, diz grupo de defesa dos direitos humanos

Álvaro Campos, da Agência Estado,

27 de janeiro de 2013 | 13h21

Um grupo de defesa dos direitos humanos disse neste domingo que o levante popular na Síria, que começou em março de 2011, já deixou mais de 50 mil mortos. Segundo o Observatório Sírio para Direitos Humanos, sediado em Londres, entre os 50.009 mortos estão 34.942 civis, sendo que quase 8 mil aderiram à luta armada contra o regime de Bashar al-Assad. A Organização das Nações Unidas (ONU) estima que até 60 mil pessoas morreram no país.

De acordo com as contas do Observatório Sírio, 1.619 mortos eram soldados desertores e outros 12.283 eram integrantes das forças de segurança do governo. Outras 1.165 mortes não tiveram sua origem identificada. A entidade colhe informações de uma rede de ativistas, advogados e médicos em hospitais civis e militares em toda a Síria.

Entre os civis mortos, 3.679 tinham menos de 18 anos e 2.120 eram mulheres. "Esses números não incluem prisioneiros desaparecidos, estimados em milhares; nem integrantes da milícia pró-governo shabiha; nem centenas de estrangeiros, cujas mortes são notificadas nos seus próprios países; nem informantes do regime", diz o diretor do Observatório Sírio, Rami Abdel Rahman.

Neste domingo, a subsecretaria-geral para Assuntos Humanitários e coordenadora de Ajuda Emergencial da ONU, Valerie Amos, chegou a Damasco, segundo noticiou a agência estatal de notícias da China, a Xinhua. Durante sua visita de dois dias, ela deve se encontrar com autoridades do Ministério de Relações Exteriores.

Recentemente, a ONU informou que cerca de 4 milhões de sírios precisam de ajuda humanitária urgente, enquanto 2 milhões tiveram de deixar suas casas, mas permanecem no país.

Confrontos

Neste domingo, foram registrados confrontos entre rebeldes e tropas do governo perto de uma estação de trem em Damasco, após aviões do regime de Assad bombardearem redutos insurgentes a leste da capital. O conflito começou na região de Port Said e se espalhou para o terminal de trem de Qadam. A batalha levou ao fechamento de uma importante rodovia que passa pela região e liga Damasco à província de Daraa.

Já nos subúrbios de Damasco, aeronaves do governo lançaram ataques à região de Ghuta Oriental, com foco na cidade de Shebaa. Rebeldes e soldados também entraram em confronto em um depósito de veículos militares localizado entre Irbin e Harasta. Ainda foi bombardeada a cidade de Beit Saham, no sudeste do país, que fica perto da estrada que leva ao Aeroporto Internacional de Damasco. No sábado, 127 pessoas foram mortas na Síria, sendo 55 civis, 44 rebeldes e 28 soldados. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.