Confronto com guerrilheiros termina com 28 soldados mortos em Mianmar

Enfrentamentos entre exército birmanês e rebeldes da minoria étnica kachin começaram quando as tropas da Birmânia atacaram as posições da guerrilha com objetivo de tomar o controle da região

Efe,

19 de julho de 2011 | 00h45

BANGCOC - Pelo menos 28 soldados e um guerrilheiro morreram em um enfrentamento entre o exército birmanês e rebeldes da minoria étnica kachin no norte de Mianmar, informaram nesta terça-feira, 19, fontes da dissidência.

 

La Nan, secretário da Organização Independente Kachin, explicou ao diário Irrawaddy que a guerrilha também sequestrou 11 soldados durante os confrontos produzidos durante o fim de semana no sul de Myitkyina, capital do estado de Kachin.

 

Os enfrentamentos começaram em 9 de junho, quando o exército birmanês atacou as posições da guerrilha com o objetivo de tomar o controle da região, na qual uma companhia chinesa constrói uma grande represa.

 

Representantes dos dois grupos se reuniram em várias ocasiões, mas não chegaram a nenhum acordo para interromper as hostilidades.

 

A guerrilha do exército Kachin Independente dispõe de cerca de oito mil combatentes e controla áreas no extremo norte do país nas quais obtém financiamento mediante a cobrança de impostos pela troca comercial fronteiriça.

 

As autoridades birmanesas assinaram na década de 90 um cessar-fogo com a maioria dos grupos étnicos, mas as relações azedaram devido ao plano do governo de submeter as guerrilhas à autoridade do Exército.

 

As etnias birmanesas, que incluem os shan, karen, rakhine, mon, kachin, chin e kayah e representam mais de 30% dos 53 milhões de habitantes do país, acusam as autoridades birmanesas de abusos e violações.

 

Alguns grupos, como os karen e os shan, escolheram o caminho da luta armada há décadas para exigir independência ou autonomia, um conflito que levou 140 mil refugiados a atravessarem a fronteira rumo à Tailândia.

Tudo o que sabemos sobre:
MianmarBirmâniaconflitos. violência

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.