Confronto com o Taleban mata oito soldados dos EUA

Militantes que se movimentaram rapidamente de um vilarejo afegão e de uma mesquita atacaram dois postos militares perto da fronteira com o Paquistão, matando oito soldados norte-americanos e pelo menos sete militares afegãos em uma das mais ferozes batalhas da guerra no Afeganistão.

AE-AP, Agencia Estado

04 de outubro de 2009 | 10h04

O grupo fundamentalista Taleban assumiu responsabilidade pelo ataque, que aconteceu no sábado. Foi o mais mortífero ataque contra forças da coalizão desde julho de 2008, quando um reide dos militantes matou nove soldados dos EUA na mesma região montanhosa.

Os combates começaram na madrugada do sábado e duraram várias horas, disse Jamaludin Badar, governador da província do Nuristão. Badar disse que os dois postos militares ficavam numa colina - um no topo e outro no pé da montanha - flanqueados pelo vilarejo de um lado da colina e pela mesquita do outro.

Cerca de 300 militantes atacaram o posto mais baixo e então subiram a colina e atacaram o posto mais alto onde estavam os soldados americanos, disse Mohammed Qasim Jangulbagh, chefe da polícia da província. Um comunicado militar do Exército dos Estados Unidos disse que os americanos e os afegãos repeliram o ataque e "infligiram pesadas baixas aos inimigos". Segundo ele, os corpos de cinco militantes foram encontrados após a batalha.

Jangulbagh disse que aviões militares americanos participaram da batalha e que 15 policiais afegãos foram capturados pelo Taleban, incluído o chefe da polícia local e seu vice. Um porta-voz do Taleban, Zabiullahy Mujahid, disse que um conselho tribal decidirá a sorte dos policiais capturados, confirmando a captura dos dois oficiais graduados.

"Este foi um ataque complicado numa área difícil" disse o coronel Randy George, comandante de área do Exército dos EUA, em comunicado. "Tanto os soldados afegãos quanto os americanos lutaram bravamente e juntos".

Tudo o que sabemos sobre:
EUAAfeganistãoTalebanconfrontomortes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.