Confronto deixa 17 mortos na Somália, dizem fontes

Insurgentes islamitas e forças do governo entraram em confronto no oeste da Somália. Pelo menos 17 pessoas foram mortas, em sua maioria combatentes, afirmaram hoje lideranças locais. Os dois lados dizem ter vencido a disputa. O confronto começou ontem, quando combatentes do Shebab, um grupo inspirado na Al-Qaeda que controla boa parte do sul somali, atacaram as forças do governo. O incidente ocorreu na cidade de Yet, na fronteira com a Etiópia.

AE, Agencia Estado

21 de setembro de 2009 | 13h02

"Nós estamos recebendo informação de que 17 pessoas, na maioria combatentes, morreram no confronto. Também alguns veículos foram destruídos", afirmou Ali Moalim Kerow, um líder local na vizinha cidade de Rabdhure. Um funcionário humanitário na área, pedindo anonimato, deu versão similar, mas disse que o número de vítimas pode aumentar.

O Shebab reivindicou vitória na batalha com as forças oficiais. Mas, segundo moradores, não era possível ainda saber quem controlava a cidade, após o confronto. Já um militar reconheceu o ataque, mas afirmou que as tropas oficiais levaram a melhor. "Nossas forças estão com total controle da cidade", disse Shine Moalim Nurow.

O grupo Shebab lançou uma ofensiva para derrubar o presidente somali, Sharif Sheikh Ahmed, líder apoiado pelo Ocidente. O governo de Ahmed controla apenas uma parte de Mogadiscio, com o apoio de mantenedores de paz da União Africana (UA). As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Somáliaviolência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.