Reuters
Reuters

Confronto em Bangladesh deixa ao menos 22 mortos

Polícia e islamitas radicais entraram em conflito durante protesto por uma nova lei da blasfêmia

AE, Agência Estado

06 de maio de 2013 | 02h53

DACA - Ao menos 22 pessoas morreram depois que a polícia entrou em confronto com milhares de islamitas radicais que exigiam uma nova lei da blasfêmia, transformando partes da capital de Bangladesh em um campo de batalha, informaram autoridades nesta segunda-feira, 6.

O governo do país, de maioria muçulmana, rejeitou as exigências do grupo pela nova lei, afirmando que Bangladesh é governado por lei seculares e liberais.

O hospital universitário de Daca recebeu 11 corpos, incluindo o de um policial, segundo informou o inspetor de polícia Mozammel Haq. Autoridades de três clínicas privadas na capital confirmaram as outras 11 mortes.

A emissora privada United News of Bangladesh informou que a violência teve início depois de as forças de segurança terem lançado gás lacrimogêneo e usado balas de borracha contra os manifestantes.

Uma emissora de televisão ligada à oposição foi invadida e fechada nesta segunda-feira. Segundo o chefe de reportagem da Diganta Television, M. Kamruzzaman, o canal foi tirado do ar por ter mostrado imagens dos confrontos no centro de Daca. "Cerca de 25 policiais à paisana e um funcionário da Comissão Regulatória de Telecomunicações de Bangladesh (BTRC, na sigla em inglês) entraram no meu escritório e nos tirou do ar", afirmou.

A emissora, que é de propriedade de um líder do principal partido islâmico de Bangladesh, acusado por crimes de guerra, foi fechada uma hora depois de a polícia ter interrompido o protesto de islamitas. / AP e DOW JONES

Tudo o que sabemos sobre:
Bangladeshislamitas radicais

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.