Confronto em mesquita no Iraque mata cerca de 20

A polícia do Iraque disse que tropas do Exército americano mataram cerca de 20 pessoas, neste domingo, durante um confronto em uma mesquita ao norte de Bagdá. Segundo os policiais, os soldados tentavam prender um fugitivo quando o tiroteio começou entre os americanos e seguidores do clérigo xiita Moqtada al-Sadr. Os xiitas afirmam que alguns dos mortos estavam participando de um cerimônia fúnebre. O Exército dos Estados Unidos diz que a ação "contra os insurgentes" teve o apoio das forças iraquianas e que 16 pessoas foram mortas e 15, presas. O comunicado do Exército americano diz ainda que a mesquita não foi danificada. De acordo com a polícia iraquiana, 22 pessoas foram mortas. Desarmados Um ajudante de al-Sadr acusou as tropas americanas de matar pessoas desarmadas na mesquita. "As forças americanas entraram na mesquita Mustafa na hora das rezas e mataram mais de 20 fiéis", disse Hazim al-Araji à agência de notícias Reuters. Também neste domingo, as tropas americanas prenderam mais de 40 funcionários do Ministério do Interior do Iraque acusados de manter uma prisão secreta. A ação não foi comentada pelo Exército dos Estados Unidos. Um funcionário de alto escalão do Ministério negou, no entanto, que funcionários tenham sido detidos. Em outro incidente, oficiais iraquianos encontraram 30 corpos, muitos deles decapitados, perto da cidade de Baquba. Os corpos não foram identificados, mas parecem ser de homens, de acordo com informações fornecidas por uma autoridade local à agência de notícias France Press. Os mortos foram achados por residentes perto de uma estrada na vila de Mullah Eid, a sudoeste de Baquba. Outros 13 corpos foram encontrados em várias áreas de Bagdá, alguns algemados e com marcas de tiros.

Agencia Estado,

27 Março 2006 | 02h41

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.