Confronto entre curdos e exército turco deixa 18 mortos

Rebeldes curdos atacaram tropas da Turquia com morteiros e granadas propelidas por foguetes nesta terça-feira, no sudeste do país, iniciando confrontos que, segundo autoridades, mataram dez rebeldes e oito soldados.

AE, Agência Estado

19 de junho de 2012 | 11h13

O ataque aconteceu na área de Daglica, província de Hakkari, que fica na fronteira nordeste do Iraque, área predominantemente curda. Dezesseis militares turcos ficaram feridos no combate, de acordo com o governo local. A cúpula militar e ministros de gabinete dirigiram-se à região para avaliar a situação.

Um ataque similar ocorrido na mesma área em 2007, que deixou 12 militares turcos mortos, levou o exército da Turquia a realizar uma incursão no Iraque que durou oito dias, em fevereiro de 2008. O grupo rebelde, o Partido dos Trabalhadores Curdos(PKK), luta por autonomia no sudeste da Turquia. Dezenas de milhares morreram desde que p PKK iniciou o conflito armado em 1984.

O confronto acontece em meio a esforços de reconciliação do governo turco com a minoria curda. Recentemente, o primeiro-ministro Recep Tayyip Erdogan anunciou planos de introduzir aulas de curdo nas escolas, após permitir a língua curda em transmissões de televisão e em cursos particulares. Cerca de 20% da população da Turquia, que é de 75 milhões, é curda.

"O PKK deve parar com qualquer tipo de ação armada", disse o líder do partido pró-curdos Paz e Democracia, Selahattin Demirtas. "O governo também deveria encerrar as operações militares", afirmou ele, em uma reunião de legisladores curdos no Parlamento para discutir os confrontos. Um graduado comandante do PKK, Bahoz Erdal, descartou um cessar-fogo ou a deposição de armas em entrevista para uma agência de notícias curda nesta terça-feira. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Turquiacurdosviolência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.