Confronto entre curdos e turcos mata 44 e faz reféns

Ação acontece quatro dias depois de o Parlamento turco aprovar uma ofensiva militar contra militantes do PKK

Agências Internacionais

21 de outubro de 2007 | 10h58

Rebeldes curdos surpreenderam uma unidade militar do Exército da Turquia próximo à fronteira do Iraque neste domingo, 21, matando 12 soldados e seqüestrando um número indefinido dos militares, alegaram os militantes. A ação reviveu os temores da abertura de um novo front na dramática guerra que castiga o Iraque. Ao todo, 44 pessoas morreram.   Veja também: Entenda o conflito entre turcos e curdos  ''Turquia tem direito de defender-se''   Turquia pode ignorar apelos e lançar ofensiva Curdos protestam contra possível ofensiva turca Rebeldes devem depor armas ou deixar país, diz líder iraquiano   O ataque ocorre quatro dias depois de o Parlamento turco aprovar uma moção permitindo o lançamento de uma ofensiva militar contra militantes do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK, na sigla em curdo) supostamente escondidos no norte do Iraque.   Em retaliação à ofensiva rebelde, tropas turcas cercaram um grupo de rebeldes e bombardearam bases suspeitas, matando até agora 32 rebeles, segundo o vice-premiê turco, Cemil Cicek.   Perguntado se o bombardeio tinha como alvo posições do outro lada da fronteira do Iraque, Cicek respondeu: "O que for necessário nessa luta está sendo e será feito."   Mais tarde, rebeldes curdos alegaram ter capturado vários soldados turcos. Cicek não quis comentar a afirmação. A aprovação de uma incursão da Turquia no norte do Iraque teve grande respaldo na sociedade turca, que está ultrajada com os recentes atentados perpetrados por rebeldes curdos no sudeste e leste do país. Ao todo, 30 soldados turcos já morreram vítima das ações do PKK. Entretanto, o primeiro-ministro da Turquia,Recep Tayyip Erdogan, pediu calma à população neste domingo. "Eu espero uma resposta calma e distante da agitação, (uma decisão) tomada com base no senso comum", disse o premiê, que convocou uma reunião de emergência para discutir que passos tomar após o ataque.   No último sábado, milhares de cidadãos curdos se manifestaram na região autônoma do Curdistão iraquiano em protesto contra a resolução do parlamento turco que autoriza o Exército do país a realizar operações militares no norte do Iraque contra os rebeldes do PKK.   Os soldados turcos morreram na explosão de uma ponte.   Segundo o governo iraquiano, o Exército turco bombardeou vilarejos curdos iraquianos próximos à fronteira com a Turquia. Não há relatos sobre vítimas do ataque.   Horas após o ataque, o presidente do Iraque, o curdo Jalal Talabani, ordenou pessoalmente que os guerrilheiros abandonem as armas. "Se eles insistirem em manter a luta armada, devem deixar o Curdistão iraquiano e não criar problemas aqui", disse.   Texto atualizado às 15h34

Tudo o que sabemos sobre:
TurquiaIraquecurdos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.