AFP / FATHI NASRI
AFP / FATHI NASRI

Confronto entre forças de segurança e jihadistas deixam 45 mortos na Tunísia

Ao menos 28 extremistas, 10 membros das forças de segurança e 7 civis morreram em Ben Guerdane; governo determina toque de recolher nas áreas próximas à fronteira com a Líbia

O Estado de S. Paulo

07 de março de 2016 | 16h28

TÚNIS - Ao menos 28 jihadistas, 10 membros das forças de segurança e 7 civis tunisianos morreram nesta segunda-feira, 7, em confrontos armados em Ben Guerdane, perto da fronteira com a Líbia, anunciaram autoridades. Aparentemente, os extremistas se infiltraram no país vindo da vizinha Líbia. 

"As unidades militares conseguiram frustrar um ataque contra um quartel em Ben Guerdane, lançado às 05h15 locais (01h15 de Brasília)", disse um porta-voz do ministério da Defesa, Rachid Bouhoula. Patrulhas do exército "foram mobilizadas na cidade e controlam os acessos", acrescentou o porta-voz.

O governo falou, por sua vez, de um "ataque terrorista contra instalações militares e das forças de segurança em Ben Guerdane". Depois do confronto, o governo tunisiano determinou um toque de recolher n cidade e nas áreas próximas à fronteira com a Líbia. 

A medida foi estipulada após uma reunião do gabinete de crise, composto pelo primeiro-ministro, Habib Essid, e os ministros de Interior, Hedi Majdoub, e Defesa, Farhat Horchani, e estará em vigor até a madrugada de terça-feira (hora local).

Fontes oficiais indicaram que durante a reunião o chefe do Executivo ordenou o fechamento da fronteira com a Líbia e a restrição de movimentos nas regiões do sul. Ele ordenou ainda que os dois ministros fossem ao local do ataque para coordenar e analisar a situação.

Há meses o governo da Tunísia demonstra sua preocupação pela situação caótica na Líbia, país vizinho, onde o grupo jihadista Estado Islâmico (EI) se implantou.

Na quarta-feira passada, unidades especiais da luta antiterrorista mataram cinco supostos jihadistas que tinham se infiltrado na Tunísia desde a Líbia e tinham feito uma família refém em uma casa situada em El-Awja, uma pequena cidade a dez quilômetros de Ben Guerdan.

As forças de segurança disseram que os supostos terroristas estavam vinculados com o braço líbio do Estado Islâmico e que entraram no país de forma irregular através da fronteira a bordo de vários veículos 4x4.

"Os jihadistas se refugiaram em uma casa e tomaram uma família como refém em sua tentativa de fuga após um confronto com as forças de segurança. Um cidadão ficou ferido e morreu no hospital", explicou a fonte.

A Polícia fronteiriça tunisiana segue em estado de alerta máximo há duas semanas, quando aviões de combate americanos mataram 50 pessoas - em sua maioria tunisianos - em um bombardeio contra supostos alvos do EI na cidade líbia de Sabratah, a cerca de cem quilômetros da fronteira com a Tunísia. 

O governo tunisiano terminou há pouco tempo a construção de um "sistema de obstáculos" em cerca da metade dos 500 km de fronteira entre Tunísia e Líbia. / AFP e EFE

Mais conteúdo sobre:
Estado IslâmicoTerrorismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.