MAHMUD HAMS / AFP
MAHMUD HAMS / AFP

Confronto entre Israel e Hamas na Faixa de Gaza deixa três mortos

Pelo menos cinco palestinos e um isralense ficaram feridos; conflito começou após braço armado do Hamas disparar foguetes contra exército israelense, que revidou com bombardeios

O Estado de S.Paulo

09 Agosto 2018 | 05h16

RAMALA, Cisjordânia - Três palestinos morreram e outros cinco ficaram feridos após confronto na Faixa de Gaza nesta quarta-feira, 8, informam autoridades de Israel e da Palestina. O conflito começou após o exército israelense relatar diversos disparos de foguetes por parte de militantes palestinos. As tropas revidaram com uma série de bombardeios contra Gaza. Um cidadão israelense também ficou ferido no confronto.

"No momento, foram registrados 70 disparos de foguetes a partir da Faixa de Gaza contra o território israelense", declarou o exército de Israel em comunicado, informando que a maioria dos projéteis atingiram regiões desabitadas no sul do país e onze deles foram interceptados pelo sistema antimísseis do país.

Um dos foguetes atingiu a cidade de Sderot, deixando uma pessoa levemente ferida, confirmou o exército. A imprensa local, no entanto, informa que foram vários feridos em outras cidades fronteiriças.

O braço armado do Hamas reivindicou a autoria dos ataques e declarou, em comunicado, que a "resistência" palestina havia lançado os projéteis contra "posições inimigas em torno da Faixa de Gaza".

O exército israelense revidou com uma série de bombardeios a 140 alvos considerados sob controle do Hamas. O ataque matou um militante, uma mulher e sua filha de 1 ano e seis meses e deixou pelo menos outras cinco pessoas feridas, informou o ministério da Saúde da Palestina.

O novo conflito coloca em dúvida os esforços do Hamas e do governo de Israel para atingir um acordo de cessar-fogo. As negociações estão sendo mediadas pelo Egito sob a supervisão da Organização das Nações Unidas (ONU).

"Estou profundamente alarmado com a recente escalada de violência entre Gaza e Israel, particularmente hoje, após o lançamento de vários foguetes contra comunidades ao sul de Israel", disse o enviado da ONU para o Oriente Médio, Nickolay Mladenov, em comunicado. A organização, segundo ele, trabalha com o Egito em "um esforço sem precedentes" para evitar conflitos na região, mas alertou que a "situação pode deteriorar rapidamente com consequências desastrosas para todas as pessoas". //ASSOCIATED PRESS, AFP e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.