Confronto entre manifestantes pró e contra Mubarak deixa 639 feridos

Autoridades contabilizam três mortos; segundo TV árabe, governo pagou por participação em ato

estadão.com.br,

02 Fevereiro 2011 | 16h29

Atualizado às 20h15

 

 

CAIRO - O ministério da Saúde do Egito informou que três pessoas morreram e 639 ficaram feridas nos confrontos entre partidários do presidente Hosni Mubarak e manifestantes pró-democracia nesta quarta-feira, 2, na praça Tahrir. O primeiro balanço do órgão dava conta de 403 feridos e, posteriormente, foi ampliado para 611.

Veja também:

especialInfográfico:  A revolução que abalou o mundo árabe

blog Tempo Real:  Chacra acompanha a situação no Egito

documento Visão Global:  Desenhando a aliança com o Egito pós-Mubarak

blog Radar Global: Os protestos no Egito, dia a dia

De acordo com o ministro Ahmed Farid, a maior parte dos feridos foi atingida por pedras e não havia ferimentos por armas de fogo. Um dos mortos é um soldado que caiu de uma ponte. O confronto desta quarta marcou a primeira vez que partidários do ditador saíram às ruas. Há nove dias, manifestantes pedem a renúncia de Mubarak.

 

Após o início do toque de recolher, às 19h (horário local), os manifestantes pró-democracia continuaram na praça Tahrir.  A TV estatal egípcia pediu que a praça fosse isolada.

Confronto pela manhã

 

Segundo com a rede de TV Al-Arabya, alguns dos manifestantes favoráveis a Mubarak receberam pagamento de 200 libras egípcias (US$ 34) para participar dos protestos. Os partidários de Mubarak romperam um cerco e derrubaram faixas e entraram em confronto com os manifestantes que estavam na praça. Imagens de televisão mostraram pessoas feridas e sangrando.

Uma testemunha disse à agência Reuters que paus e pedras foram usados nos confrontos. Segundo ela, dez pessoas ficaram feridas. "São esses capangas do partido de Mubarak. Estava na entrada da praça fazendo um bloqueio humano e uma pedra me atingiu", disse.

Ainda de acordo com manifestantes presentes na praça Tahrir, partidários de Mubarak usaram camelos e cavalos nos confrontos. Montados nos animais, eles brandiram chicotes contra os opositores. Depois de observar o confronto por quase duas horas, o Exército interveio, disparando tiros ao ar para dispersar os manifestantes.

Após Mubarak anunciar na noite de terça-feira que não ia disputar a reeleição grupos de manifestantes leais a ele saíram às ruas com facas e porretes. O confronto começou horas depois de um porta-voz do Exército ir à televisão estatal para pedir que os manifestantes deixem as ruas. Durante os enfrentamentos, soldados das Forças Armadas não intervieram.

Leia ainda:

link Exército pede fim de protestos no Egito

linkPara imã do Cairo, revolta é ''egípcia, e não islâmica''

linkPolícia invade quarto de repórter do Estado

linkGoverno egípcio restaura internet 

 

Com AP e Reuters

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.