Confronto entre milicianos e tropas etíopes mata 9 na Somália

Um confronto com foguetes e morteiros entre milicianos e forças etíopes mataram nove pessoas na quinta-feira à noite em Mogadiscio e outras vinte ficaram feridas, disseram testemunhas nesta sexta feira.Os milicianos lançaram pelo menos onze bombas e granadas no porto de Mogadiscio, no hotel Lafwein e em outros pontos onde estão mobilizados soldados etíopes e do governo de transição somali.Este bombardeio é o mais grave desde que as forças etíopes e do governo somali retomaram o controle de Mogadiscio, em 28 de dezembro, em meio à ofensiva lançada pela Etiópia na Somália quatro dias antes.Cinco das vítimas morreram em um campo de deslocados, outras duas no porto e as duas últimas no hospital de Madina, para onde foram levadas com ferimentos causados pelos bombardeios.Um assistente médico do hospital, Hilowle Kahiye, disse que o centro recebeu quinze feridos. "Esta semana tivemos mais de cem feridos, uma quantidade elevada", acrescentou.Três dos cinco mortos do campo de deslocados, no distrito de Hodan, pertenciam a uma mesma família. Moalim Ali Osman, parente das vítimas, disse que eram um pai e seus dois filhos.O vice-ministro da Defesa do Governo de transição, Salad Ali Jelle, acusou os milicianos da União das Cortes Islâmicas (UCI) de serem os responsáveis pelos ataques."Os esquivos militantes islâmicos estão lançando os ataques para acabar com o governo, mas os pegaremos", disse o alto funcionário, que acusou os combatentes de matar pessoas inocentes.Os milicianos da UCI chegaram a controlar Mogadiscio e amplos setores do centro e do sul do país, mas foram deslocados de todas as regiões que controlavam por causa da ofensiva etíope lançada em dezembro.No entanto, líderes islâmicos sustentam que ainda há milhares de combatentes escondidos dispostos a aproveitar a melhor ocasião para retomar sua luta ou lançar ataques de guerrilha urbana contra os soldados etíopes e do governo de transição.Nenhum grupo assumiu os ataques, mas no site oficial da UCI (www.qaadisiya.com) os rebeldes islâmicos são responsabilizados pela operação. O site diz também que quatro soldados etíopes foram mortos.A Etiópia já começou a retirar suas tropas do país, que serão substituídas por uma força de paz da União Africana.Mas até agora, dos oito mil soldados necessários para a força, só Niger, Uganda, Gana, Malauí e Burundi se ofereceram a enviar tropas, totalizando cinco mil efetivos. Ainda não se sabe quando a força de paz começará a ser mobilizada.Escola explode em MogadiscioA explosão em uma escola islâmica para garotas matou uma estudante nesta sexta-feira, em Mogadiscio, na Somália, ao final de uma das semanas mais violentas na capital.Outros seis estudantes ficaram feridos no ataque à escola de Umu-A´isha, que fica no sul de Mogadiscio, disse uma testemunha. A explosão aconteceu durante o período do intervalo. Não há suspeitos sobre o ataque.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.