Confronto entre polícia e rebeldes deixa 19 mortos na Rússia

Dois dias de violentos confrontos em uma cidade próxima à Chechênia deixaram 12 supostos rebeldes e 7 policiais mortos, na mais recente onda de violência que se espalhou pela problemática região do Cáucaso.Segundo o ministro do Interior russo, os rebeldes mortos seriam mercenários de um grupo radical islâmico baseado no distrito checheno de Shelkovsky. Eles eram suspeitos de uma série de ataques na Chechênia e planejavam ações semelhantes contra autoridades policiais e instalações estratégicas na região de Stavropol. Os suspeitos recusaram-se a se render e tropas policiais cercaram duas casas onde os rebeldes remanescentes estavam escondidos.A polícia disse que agiu após um denúncia. As forças de segurança russa teriam perseguido um grupo em Tukui-Mekteb, vilarejo ao sul da região de Stavropol, 40 quilômetros ao norte da fronteira com a Chechênia. Canais de TV mostraram as tropas se aproximando do vilarejo sob a proteção de veículos blindados e soldados deitados no chão coberto de neve, apontando suas armas em direção às casas em que os rebeldes estavam escondidos. Segundo a agência de notícias Interfax, atiradores rebeldes continuavam a atirar na polícia na tarde desta sexta-feira. Sete policiais foram mortos e outros sete ficaram feridos no confronto, afirmou o porta-voz do Ministério do Interior Roman Shchekotin. Ele disse ainda que as tropas encontraram lança-granadas, explosivos e uma grande quantidade de munição nas casas. A agência de notícias RIA-Novosti reportou que o grupo estava planejando apoderar-se de uma escola. A afirmação veio do chefe do Departamento de Crime Organizado de Stavropol, Viktor Barnash, mas a agência não soube responder quais as evidências do suposto ataque.O canal Channel One, controlado pelo governo, disse que os moradores do local foram retirados de madrugada. As imagens mostraram várias mulheres enroladas em cobertores correndo. Uma carregava um bebê e outras levavam crianças pelas mãos.Tropas da Rússia entraram na Chechênia em 1994 e em 1999 para tentar controlar uma insurgência que começou como uma briga pela independência, mas que aumentou após ser influenciada por idéias islâmicas radicais. Os grandes combates acabaram mas conflitos menores como o confronto em Tukui-Mekteb continuam a acontecer.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.