Confronto na Nigéria deixa pelo menos 8 mortos

Grupos de muçulmanos e cristãos entraram em confronto hoje nas ruas da cidade de Kano, incendiando locais de culto e matando pelo menos oito pessoas, segundo relatos de testemunhas. A faísca que levou a esta última explosão de violência religiosa no norte da Nigéria não estava clara de imediato. Os confrontos ocorreram um dia depois que fundamentalistas islâmicos se chocaram com a polícia durante um protesto popular contra os bombardeios no Afeganistão, liderados pelos Estados Unidos. No final de manhã de hoje, segundo as testemunhas, havia pelo menos oito corpos nas ruas de Sabon Gari, um bairro da zona norte de Kano, cidade a 700 quilômetros da capital comercial da Nigéria, Lagos. Notícias não confirmadas davam conta de um número muito maior de mortos. O governo do Estado de Kano estava reprimindo a violência, e dizendo que não podia confirmar se os confrontos tinham um motivo religioso. Na sexta-feira, a polícia lançou gás lacrimogêneo contra centenas de jovens muçulmanos nigerianos que protestavam contra os bombardeios no Afeganistão. Várias pessoas ficaram feridas e três carros - incluindo um caminhão da polícia - foram queimados. Com 120 milhões de habitantes, a Nigéria é dividida entre uma região predominantemente muçulmana (o norte) e outra cristã (o sul). As tensões de caráter religioso tem crescido desde que, no ano passado, 12 estados do norte, incluindo o de Kano, começaram a impor a lei islâmica, a Sharia. Nesses estados, as cortes islâmicas já ordenaram que as mãos dos ladrões sejam amputadas. Diversas mulheres e meninas já foram açoitadas publicamente por supostas imprudências sexuais. Pelo menos 165 pessoas foram mortas na cidade de Jos, em setembro.

Agencia Estado,

13 Outubro 2001 | 17h55

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.