AFP PHOTO | ILYAS AKENGIN
AFP PHOTO | ILYAS AKENGIN

Confronto na Turquia deixa 2 policiais e 7 militantes do EI mortos

Forças de segurança invadiram mais de uma dúzia de casas em Diyarbakir, cidade de maioria curda no sudeste do país, onde membros do grupo jihadista planejariam novos ataques terroristas

O Estado de S. Paulo

26 Outubro 2015 | 12h10

ANCARA - Dois policias turcos e sete militantes do Estado Islâmico (EI) morreram em uma troca de tiros após a polícia invadir mais de uma dúzia de casas na Turquia nesta segunda-feira, 26, disseram fontes de segurança e um porta-voz do governo.

O confronto ocorreu no distrito de Kayapinar, na cidade de Diyarbakir, de maioria curda. Foi a primeira troca de tiros entre as forças de segurança turcas e supostos militantes do EI em uma cidade do interior. Confrontos anteriores aconteceram antes na fronteira entre Síria e Turquia.

Os dois policiais morreram na explosão de artefatos colocados ao redor de uma das casas cercadas pelas forças de segurança. Cinco policiais ficaram feridos e 12 militantes foram presos, disse o porta-voz Numan Kurtulmus. "Uma célula importante do Estado Islâmico foi neutralizada", disse Kurtulmus a repórteres. "Trabalhos para identificar (militantes) e desmascarar suas conexões em outras cidades estão acontecendo".

Autoridades turcas aumentaram as operações contra supostas células do Estado Islâmico após um atentado duplo com bombas em Ancara matar mais de 100 pessoas, no pior ataque do tipo na história moderna turca. O grupo militante foi considerado o culpado.

Suspeita-se que os militantes do EI entrincheirados na casa atacada em Kayapinar estavam preparados para cometer atentados suicidas similares ao do dia 10 de outubro em Ancara.

Na semana passada, o presidente Recep Tayyip Erdogan disse que a inteligência síria e militantes curdos, não só o Estado Islâmico, estavam por trás de um ataque a uma manifestação de ativistas pró-curdos e grupos civis. / REUTERS, EFE e AFP

Mais conteúdo sobre:
Estado Islâmico Turquia Terrorismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.