Confronto religioso mata 52 na Nigéria

Pelo menos 52 pessoas morreram em confrontos religiosos desencadeados por três atentados suicidas contra igrejas do norte da Nigéria, onde na segunda-feira cadáveres se acumulavam em necrotérios e cemitérios da cidade de Kaduna.

REUTERS

18 de junho de 2012 | 19h54

Os distúrbios começaram no domingo, após os atentados suicidas com carros-bombas contra as igrejas, que mataram 19 pessoas e deixaram dezenas de feridos.

Jovens cristãos então bloquearam vias, tirando à força muçulmanos de carros e motos, e matando-os, segundo testemunhas.

Ninguém assumiu de imediato os ataques contra as igrejas, mas a seita islâmica Boko Haram, que trava uma insurgência contra o governo federal no nordeste nigeriano, reivindicou a autoria de ataques contra igrejas em dois domingos anteriores.

Um repórter da Reuters visitou dois hospitais em Kaduna. Num deles, funcionários disseram que havia 40 corpos no necrotério e 72 pessoas sendo atendidas com queimaduras e outros ferimentos. No outro hospital, foram confirmados 12 mortos e 2 feridos.

Também na segunda-feira, moradores da localidade de Damaturu, capital do Estado de Yobe (nordeste), relataram tiros e explosões. A Boko Haram já cometeu vários atentados no local.

(Por Garba Mohammed)

Tudo o que sabemos sobre:
NIGERIADISTURBIOSMORTOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.