Confrontos deixam 24 talebans mortos no Afeganistão

Pelo menos 24 rebeldes talebans e quatro agentes afegãos morreram em novos confrontos no sul do Afeganistão, enquanto outros quatro policiais estão desaparecidos no oeste do país, segundo fontes oficiais. Os incidentes ocorreram no sábado e no domingo nas províncias de Kandahar e Zabul, no sul, e nas províncias de Farah e Nimroz, no oeste.Quatro policiais e pelo menos 18 supostos rebeldes morreram em um tiroteio que aconteceu no sábado, depois que os rebeldes atacaram um posto policial ao norte da cidade de Kandahar, no sul. Em entrevista, o porta-voz do governo de Kandahar, Daoud Ahmadi, informou que as autoridades recuperaram os corpos de apenas sete rebeldes.Ahmadi acrescentou que, em outro incidente ocorrido também no sábado no norte de Kandahar, a polícia deteve dois supostos talebans que viajavam em um carro cheio de explosivos, que provavelmente seria usado em um ataque suicida.A violência aumentou nos últimos meses, sobretudo no sul do Afeganistão, onde as tropas da Otan estão sendo mobilizadas para substituir as forças da coalizão liderada pelos Estados Unidos.Milícia talebanO Taleban é uma milícia extremista islâmica produto de uma guerra civil iniciada após a retirada soviética da região, em 1988. Formado em 1994, o Taleban originou-se a partir de uma reunião de pouco mais de mil estudantes de escolas religiosas rurais na fronteira com o Paquistão. O termo "taleban" significa estudante em pashtu, segunda língua oficial do Afeganistão depois do dari (dialeto persa).Logo após os atentados de 11 de setembro, os Estados Unidos obtiveram informações de que os terroristas estavam ligados a Osama bin Laden. O Afeganistão, que o abriga bem como à sua organização, a Al-Qaeda, recusou-se a entregá-lo à justiça norte-americana. Em retaliação ao atentado terrorista, os Estados Unidos lançaram uma ofensiva militar contra o Afeganistão. O alvo norte-americano são o regime Taleban e as bases de treinamento para terroristas no país.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.