Confrontos deixam ao menos 20 mortos no Afeganistão

Onze suicidas do Taleban atacaram prédios do governo no leste do Afeganistão hoje, provocando confrontos nas ruas da principal cidade afegã que deixaram pelo menos 20 mortos e três soldados norte-americanos feridos. Soldados dos Estados Unidos e do Afeganistão libertaram 20 funcionários do governo que haviam sido feitos reféns pelos insurgentes. O ataque começou quando um suicida atacou o complexo do governador em Khost, uma cidade ao leste do país na fronteira com o Paquistão e que abriga uma base norte-americana. Essa explosão foi seguida pela detonação de um carro-bomba, disse Wazir Pacha, porta-voz do chefe de polícia provincial.

AE-AP, Agencia Estado

12 de maio de 2009 | 13h06

Forças norte-americanas, que participavam de uma reunião nas imediações, responderam ao ataque e mataram um número ainda incerto de militantes, disse a comandante Christine Sidenstricker, porta-voz militar dos Estados Unidos. Os moradores de Khost esconderam-se nas ruas das explosões de bombas e dos confrontos, que duraram até as 17 horas. Pelo menos 11 insurgentes e outras nove pessoas - dentre elas policiais e civis - morreram, informou o Ministério da Defesa. O porta-voz do Taleban, Zabiullah Mujahid, disse que 30 suicidas atacaram os prédios do governo.

Nos últimos meses, os militantes têm realizado um número crescentes de ataques. Analistas militares disseram que a crescente sofisticação dos ataques no Afeganistão é o resultado do treinamento dos militantes paquistaneses e dos combatentes da Al-Qaeda. O ataque ocorreu um dia depois de o Pentágono ter retirado o principal comandante norte-americano do Afeganistão, general David McKiernan, e quando o novo embaixador dos Estados Unidos, o ex-general de três estrelas Karl Eikenberry, apresentou suas credenciais ao presidente Hamid Karzai.

Tudo o que sabemos sobre:
Afeganistãoviolênciamortes

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.