Confrontos e repressão deixam 21 mortos na Síria

Mortes ocorreram em Damasco e na cidade de Homs; mas de 3,5 mil já morreram no país

Agência Estado

10 de novembro de 2011 | 15h05

BEIRUTE - Forças do governo da Síria fizeram buscas em casas e choques irromperam entre soldados regulares e desertores nesta quinta-feira, 10, matando pelo menos 21 pessoas ao redor do país, incluindo uma menina de 8 anos e seis soldados, disseram ativistas dos direitos humanos.

 

Veja também:

especialINFOGRÁFICO: A revolta que abalou o Oriente Médio

 

Em algumas das incursões, soldados abriram fogo enquanto conduziam buscas por dissidentes e desertores nos subúrbios da capital, Damasco, em Deir el-Zor, no Eufrates, e nas cidades de Homs e Hama, na Síria central. Uma menina de oito anos foi morta a tiros pelo governo em Homs, disse o ativista Rami Abdul-Rahman, chefe do Observatório Sírio dos Direitos Humanos, sediado em Londres. Não foi possível confirmar o número de mortos de maneira independente, uma vez que o acesso da imprensa internacional está restrito na Síria.

 

Também foram feitos relatos de confrontos entre soldados regulares e desertores perto das cidades de Deir el Zor e Marat al Numan, perto da autoestrada que liga Damasco a Alepo, maior cidade do país e no norte sírio.

 

O número de mortos nesta quinta-feira foi informado pelo Observatório e os Comitês de Coordenação Local, uma coalizão de ativistas. A Organização das Nações Unidas (ONU) estima que mais de 3.500 pessoas foram mortas na repressão síria desde que começaram os protestos contra o governo do presidente Bashar Assad, em meados de março.

 

Na quarta-feira, a comissária da ONU para os direitos humanos, Navi Pillay, disse que um número crescente de soldados está desertando dos quartéis e isso aumenta o risco de uma guerra civil.

 

"Onde os direitos humanos mais elementares não são respeitados e os pedidos pacíficos por mudanças respondidos com uma violência brutal, as pessoas acabam compelidas a se rebelar contra a tirania e a opressão", disse Pillay ao Conselho de Segurança da ONU.

 

O governo sírio continua a culpar "gangues armadas" pela violência, bem como extremistas que agiriam sob uma agenda estrangeira para desestabilizar o país. Na semana passada , o governo sírio disse que concordava com um plano da Liga Árabe para encerrar a violência, mas a repressão continuou inabalável. As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.