Confrontos entre ex-rebeldes deixam cinco mortos na Líbia

Tiroteio foi travado com armas usadas na revolução contra o regime de Muamar Kadafi

Agência Estado

03 de janeiro de 2012 | 16h02

TRÍPOLI - Duas facções de ex-rebeldes líbios entraram em choque nesta terça-feira, 3, no centro de Tripoli, travando uma batalha que durou horas e deixou pelo menos cinco mortos, informou um oficial do Conselho Militar da capital líbia. O confronto ocorreu entre ex-insurgentes da capital líbia e da cidade de Misrata e foi travado com lançadores de granadas, metralhadoras e armas antiaéreas.

 

Veja também:

especialLINHA DO TEMPO: Quatro décadas de ditadura na Líbia

video TV ESTADÃO: Editor comenta eventos da Primavera Árabe

tabela HOTSITE: A Líbia sem Kadafi

especialESPECIAL: Veja a retrospectiva da Internacional

especialESPECIAL: Veja a retrospectiva de 2011

 

O coronel Walid Shouaib, membro do Conselho Militar de Tripoli, disse que o estopim do confronto foi a prisão de um combatente de Misrata pelos ex-insurgentes de Tripoli, que detiveram o homem, suspeito de roubo, na passagem do Ano Novo. Os combates começaram quando os combatentes de Misrata tentaram libertá-lo.

 

Um integrante do Conselho Militar de Misrata, Mohammed al-Gressa, disse temer uma guerra civil. Segundo ele, comandantes dos ex-rebeldes líbios realizam no momento uma reunião com o Conselho Militar de Tripoli. "Eu não estou otimista, porque sangue foi derramado. Isto está se parecendo com uma guerra civil", disse al-Gressa.

 

Desde a queda do regime de Muamar Kadafi, em outubro do ano passado, ex-rebeldes líbios têm entrado em choque. O desmantelamento de vários grupos armados, divididos nas regiões onde operam, se mostra um desafio às autoridades líbias. A ausência de uma administração centralizada de segurança deixou o campo livre às milícias, que detém o controle verdadeiro de várias áreas.

 

Shouaib disse que nesta terça-feira os combatentes de Misrata tentaram pela segunda vez libertar, sem sucesso, o colega que foi preso acusado de roubo. Segundo ele, dois combatentes de Tripoli e três de Misrata foram mortos nos tiroteios.

 

O porta-voz do governo líbio, Ashur Shamis, minimizou a escalada dos confrontos armados e culpou "sabotadores" pelos conflitos. "Essas lutas aconteceram por animosidades pessoais, elas não têm nada a ver com a revolução ou com os revolucionários", disse. Ele insistiu que o Ministério do Interior da Líbia está com a situação sob controle.

 

Ibrahim Beit Amal, porta-voz dos combatentes de Misrata, concordou. "Esses incidentes foram provocados por jovens equivocados", afirmou. "Eles não são revolucionários". As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.