AFP
AFP

Confrontos entre Exército e guerrilha curda deixam 26 mortos na Turquia

Guerrilheiros se infiltraram desde o Iraque e atacaram os turcos em três diferentes pontos

estadão.com.br,

19 de junho de 2012 | 05h52

Texto atualizado às 15h05

ISTAMBUL - Sube para 26 o número de mortos durante o confronto entre o Exército e a guerrilha curda na Turquia. Pelo menos oito soldados turcos e dezoito guerrilheiros do ilegal Partido de Trabalhadores do Curdistão (PKK) morreram nesta terça-feira, 19, nos combates na província de Hakkari, extremo sudeste da Turquia.

Veja também:

linkDeslocados por conflito entre xiitas e sunitas no Iraque passam de 3 milhões

linkAtaques em série matam 84 no Iraque

linkNúmero de refugiados bateu recorde em 2011, revela ONU

 

Os guerrilheiros se infiltraram durante a madrugada desde o vizinho Iraque no município fronteiriço de Daglica e atacaram os uniformizados turcos em três diferentes pontos, informa a edição digital do diário turco "Hürriyet". O governador de Hakkari, Orhan Alimoglu, confirmou o número de oito mortos e 16 feridos no lado do Exército, além de dez "terroristas" mortos. Os combates seguem ativos naquela região.

O confronto acontece em meio a esforços de reconciliação do governo turco com a minoria curda. Recentemente, o primeiro-ministro Recep Tayyip Erdogan anunciou planos de introduzir aulas de curdo nas escolas, após permitir a língua curda em transmissões de televisão e em cursos particulares. Cerca de 20% da população da Turquia, que é de 75 milhões, é curda.

O chefe do Estado-Maior da Turquia, Necdet Özel, se transferiu à zona para dirigir os combates, informa a rede de televisão "CNNTürk". Os montes de Daglica, com picos de até três mil metros de altura, foram cenário de graves combates nos anos 2007 e 2010, e a província de Hakkari, povoada quase integralmente por curdos, está entre as mais afetadas pela luta entre o PKK e as forças de segurança do Estado turco.

O PKK pegou em armas em 1984 para lutar pela autodeterminação dos aproximadamente 12 milhões de curdos na Turquia e, desde então, mais de 45 mil pessoas morreram nesta guerra não declarada.

Com informações da Efe, Associated Press e Dow Jones

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.