Confrontos entre hindus e muçulmanos deixam 5 mortos

Pelo menos cinco pessoas morreram nesta sexta-feira, num confronto entre hindus e muçulmanos, que teve tiros disparados pela polícia. O confronto explodiu durante uma greve geral em protesto contra as declarações de um líder religioso norte-americano, que chamou o fundador do Islã de terrorista. Quarenta e sete pessoas ficaram feridas.Os revoltosos se confrontaram com facas e pedras durante a greve de um dia, convocada para protestar contra as declarações do reverendo Jerry Falwell na emissora norte-americana de tevêCBS, no início do mês.Organizações muçulmanas classificaram as declarações de depreciativas e blasfemas. O pastor batista conservador disse à rede de televisão que o profeta islâmico "era um homem violento, um homem belicoso". "Jesus deu o exemplo de amor, da mesma forma que Moisés", disse Falwell. "Penso que Maomé deu o exemplo oposto."Dois muçulmanos e um hindu foram mortos pelos tiros da polícia, e um muçulmano e um hindu morreram em conseqüência de ferimentos a facadas, na cidade de Sholapur, a 360 quilômetros de Bombaim, capital do Estado de Maharashtra, afirmou Kirpa Shankar, secretário do Interior do Estado.Os problemas começaram quando um grupo de muçulmanos tomou as ruas e foi desafiado por hindus. Alguns revoltosos alvejaram casas, veículos e lojas, afirmou a polícia. O reforço de soldados paramilitares controlou os confrontos,disse Shankar.Na última segunda-feira, as declarações de Falwell provocaram protestos de rua na Caxemira indiana, o único Estado da Índia de maioria muçulmana. Nesse país, os confrontos entre hindus e muçulmanos são freqüentes. Pelo menos mil pessoas, a maioria muçulmanas, foram mortas no Estado de Gujarat desde que, no início do ano, os muçulmanos queimaram um trem que transportava radicais hindus de um localreligioso reivindicado por ambos os grupos religiosos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.