Confrontos matam 41 em Darfur, diz líder tribal

Violência começou na quinta com ataques entre tribos; há também 17 feridos

Agência Estado

07 de junho de 2010 | 11h17

CARTUM - Confrontos entre tribos rivais árabes na região de Darfur, no oeste do Sudão, deixaram 41 pessoas mortas em três dias, disse no domingo, 6, um líder tribal. Segundo Ezzedin Eissa al-Mandil, da tribo Misseriya, a violência começou na quinta-feira, quando "membros da tribo Rezeigat atacaram uma de nossas vilas a oeste da cidade de Kass", no sul de Darfur.

 

"Eles mataram uma pessoa e voltaram na sexta-feira, quando a luta durou o dia todo. Também houve confrontos no sábado e, no total, 41 pessoas foram mortas e 17 ficaram feridas", afirmou Mandil. Não era possível checar a afirmação com fontes independentes nem com a tribo Rezeigat ou o governo local.

 

Porém um porta-voz da missão de mantenedores de paz da Organização das Nações Unidas (ONU) e da União Africana (Unamid) afirmou que a Unamid recebeu relatos de confrontos entre a tribo Nuwayba, um braço da tribo Rezeigat, e a tribo Misseriya. Porém ele não tinha nenhum detalhe sobre o número de vítimas.

 

Há um conflito que já dura sete anos em Darfur, entre rebeldes e o governo de Cartum. A violência já deixou cerca de 300 mil mortos e forçou 2,7 milhões de pessoas a deixarem suas casas, segundo as Nações Unidas. O governo do Sudão afirma que morreram dez mil pessoas. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
SudãoDarfurconfrontosmortes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.